Apresentando o senhor ZÉGUA

Apresentando o senhor ZÉGUA

APRESENTANDO OS OUTROS ATORES DO DRAMA

APRESENTANDO OS OUTROS ATORES DO DRAMA

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

ZÉGUA E AS DUAS CARAS DO BOLSA FAMÍLIA – DOCUMENTÁRIO

Existem muitas mentiras sobre o Bolsa Família. A ignorância sobre este programa federal pode ser grande entre a maior parte da população, mas é terrivelmente colossal entre a chamada elite social (políticos, funcionários públicos, professores, imprensa, etc.).
O pouco que essa “elite” conhece sobre o Bolsa Família é o que lê no site do governo (quando lê!) ou aquilo que passa na televisão. Mas geralmente o palco só mostra ficção (e algumas partículas da verdade para fantasiar um pouco as coisas). A verdade está é nos bastidores. E os bastidores do Bolsa Família ficam nos departamentos espalhados nas prefeituras desse Brasilzão.
Nosso herói Zégua conhece bem os bastidores porque sente na própria pele quase todos os dias, desde que o cordão umbilical do Bolsa Família foi cortado.
E, com base nas experiências pessoais de Zégua, juntamente com um pouco do seu conhecimento técnico sobre o assunto, elaborei um documentário que mostra, em resumo, a essência do Bolsa Família. Você terá uma visão geral sobre o tema (o suficiente para não passar vergonha) e conhecerá os dois lados (o palco e os bastidores, juntamente com os principais atores).
Depois que conhecer todo o documentário você poderá dizer (ou achar) o que quiser, mas garanto que é impossível contestar a verdade.
O documentário encontra-se em dois formatos: power point (slides) e pdf. Para acessá-lo, clique no link abaixo:
Por falta de conhecimento, o povo se destrói” (Oséias 4.6).
Por falta de conhecimento, o povo se lasca” (versão nordestina).
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

ZÉGUA E O BOLSA ESTIAGEM – O INIMIGO AGORA É (MAIS) OUTRO

 Nas primeiras semanas de 2014 nosso herói tem sido desafiado por um novo inimigo, um tal de BOLSA ESTIAGEM. De repente, 80 reais a mais começaram a aparecer nas contas dos beneficiários do Bolsa Família e a noticia correu mundo afora:

- O BOLSA FAMÍLIA AUMENTOU! O BOLSA FAMÍLIA AUMENTOU!

Imediatamente o Departamento do nosso herói começou a ser invadido por vários indivíduos que queriam saber a mesma coisa:

- POR QUE O MEU DINHEIRO TAMBÉM NÃO AUMENTOU?

Zégua olhou na Folha de Pagamento e não detectou nenhum aumento, principalmente no valor de 80 reais.

- MAS MINHA PRIMA RECEBEU 80 REAIS A MAIS EM SEU CARTÃO! MINHA CUNHADA TAMBÉM RECEBEU! E A IRMÃ DA PRIMA DO TIO DO MEU PAI! E A SOBRINHA DA MADASTRA DO IRMÃO DO MEU SOGRO TAMBÉM RECEBEU!

E agora, seu Zégua?

Algum tempo depois e o nosso herói descobre que, na verdade, os tais 80 reais fazem parte de um tal de BOLSA ESTIAGEM (o nome correto do tróço é PROGRAMA AUXILIAR EMERGENCIAL FINANCEIRO).

Descobre também que, no ano passado, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de sua cidade (juntamente com alguns setores da Prefeitura) fez o cadastramento de várias famílias que haviam sido prejudicadas com a estiagem recentemente.

Mas o que é que isso tinha a ver com o nosso herói?

Dezenas de pessoas chegaram até o nosso destemido, querendo saber por que não receberam o tal BOLSA ESTIAGEM – e já haviam passado pelo Sindicato e até pela Caixa. O fato é que, qualquer que seja o problema, só existe um bode expiatório: PROCUREM O ZÉGUA, QUE ELE RESOLVE!

Algum tempo depois, nosso herói resolveu ir até o Sindicato dos Trabalhadores pra tirar essa história a limpo. E a coisa é mais enrolada do que parece, pois:

- Tem gente que fez o cadastro e seu nome não veio na lista do pagamento.

- Tem gente que não fez o cadastro e o dinheiro veio.

- O pai e a mãe se cadastraram, mas o dinheiro veio no nome de um dos filhos.

- Tem família que o dinheiro não veio pra ninguém e em outras o dinheiro veio para mais de um membro.

- Uma senhora recebeu a primeira parcela da Bolsa Estiagem (dizem que serão seis parcelas, de 80 reais, cada) por meio do cartão BOLSA ESCOLA (aquele azulzinho do tempo do Fernando Henrique, antes de surgir o Bolsa Família);

- O cartãozinho dela tem mais de dez anos, está cancelado há séculos, e, de repente, volta a funcionar.

- Mas só funcionou um mês e agora ela procurou o nosso herói pra que ele dê um jeito.

- Ao pegar o cartãozinho, Zégua tomou um susto: “A SENHORA TEM CERTEZA DE QUE RECEBEU DINHEIRO COM ISTO AQUI?”

- Um moço foi até a Caixa, seu nome tá na lista e tá na folha de pagamento, mas o funcionário mandou que ele procurasse o nosso herói, porque seu dinheiro precisava ser DESBLOQUEADO. Como assim?

- O nome de uma senhora apareceu na lista do Bolsa Estiagem – mas ela faleceu há um ano.

Pois é! O negócio tá feio para o lado do nosso herói. 

DETETIVE ZEGUINHA DESMASCARA: OS ARGUMENTOS MAIS FAJUTOS USADOS PELOS POLÍTICOS - PARTE 2




AS SETE FRASES QUE ZÉGUA NÃO AGUENTA MAIS OUVIR

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O RETORNO DE ZÉGUA... NA VERDADE, ELE NUNCA FOI PRA LUGAR NENHUM. SÓ ESTAVA SEM TEMPO DE DIZER QUE CONTINUA VIVO

(Clique sobre a imagem para vê-la ampliada).

ALGUMAS NOTINHAS RECENTES, PRA ALEGRAR A VIDA DE QUEM GOSTA DE SORRIR DA DESGRAÇA ALHEIA

*******
A mulher entra apressada e vai logo dizendo:

- Todo mundo tá tendo aumento e eu não! Por quê?

Nosso herói olha para ela e diz com toda calma do mundo:

- Senhora, eu aposto minha cabeça, quero cegar da gota serena* se houve aumento do Bolsa Família.

- Oxente! Mas houve sim! Minha vizinha só tirava 134 reais! Neste mês tirou 300 reais! Minha cunhada tirava 70 reais e neste mês tirou 100 reais. A mulher do meu primo...

- Não, não, minha senhora! A senhora tá enganada, deixe-me explicar o que realmente aconteceu... (E Zégua tenta convencer a mulher que o tal do “aumento” foi, na verdade, a inclusão de um novo beneficio, o popular “Brasil Carinhoso”).

- E por que eu não recebo esse “Brasil Carinhoso”? Eu tenho quatro filhos, e minha amiga... Blá! Blá! Blá!

Tenta explicar isso pra ela, seu Zégua!

* Cegar da gota serena – expressão popular nordestina.

*******
A mulher entra, olha nos olhos do nosso herói e diz:

- Meu filho, acredita que meu cartão foi cancelado logo no dia do meu aniversário?

- Pois parabéns pra senhora, dona Zica!

*******
Agora que descobriram o número do celular do nosso herói...

- Alô! É o menino que ajeita o Bolsa Família?

- Alô! Olha, o meu aumento ainda não caiu...

- Alô! Já chegou a folha deste mês?

- Alô! Ouvi dizer que está tendo aumento do Bolsa Família. Por que eu não tive também?

- Alô! Eu sou a mulher daquele dia, lembra?
- Alô! Meu filho, dá um jeito no meu cartão, por favor.

*******

24 de dezembro (vésperas de Natal), entre 7 e 8 horas da manhã.

Celular toca. Toca. Toca.

Zégua olha. Número desconhecido. Pensa em atender, mas lembra que está de recesso natalino e que pode ser algum beneficiário querendo saber notícias do Bolsa Família. Mas a curiosidade é mais forte e resolver atender. Então escuta aquela famosa musiquinha, acompanhada da frase: “CHAMADA A COBRAR. PARA ACEITÁ-LA, CONT...” Ele desliga.

Fica na dúvida. Quem poderia ser? Seria de algum amigo com problema? Algum parente próximo?

O celular toca novamente. “CHAMADA A COBRAR. PARA ACEIT...” Desliga!

Uma semana depois (durante o recesso de fim de ano), o celular do nosso herói toca. Novamente aquele mesmo número. E a cobrar. Ele desliga. Toca novamente. A cobrar. Ele desliga.

Daqui a pouco toca de novo. Mas é outro número. E não é a cobrar. Nosso herói atende.

- Alô! É o rapaz do Bolsa Família? É que eu liguei a cobrar várias vezes pra você e você não atendeu. Aí peguei o celular de uma amiga...

E ela ainda informou que ligou a cobrar – será que pensa que o celular do nosso herói é uma espécie de 0800?

*******
- Bom dia, eu quero saber por que é que não recebi o aumento de 80 reais que todo mundo tá recebendo?

- Não, minha senhora. Não estou sabendo de nenhum aumento de 80 reais. Onde a senhora viu isso?

Zégua olhou na folha de pagamento e mostrou pra mulher:

- Olha, aqui não teve nada de 80 reais a mais pra ninguém neste mês.

- Mas tá todo mundo recebendo. Minha vizinha, minha amiga, minha cunhada, minha irmã, minha...

- Mas essa história é muito esquisita – Zégua a interrompe, antes que ela passe o resto do dia citando a lista de pessoas que, segundo ela, recebeu o tal aumento – aqui na folha não existe nenhum aumento de 80 reais e só estou ouvindo falar disso agora.

Daqui a pouco outras pessoas entram no departamento com a mesma história.

- Ei, moço, por que eu não tenho o direito de receber também esse aumento de 80 reais?

“Que troço é esse?”

Somente alguns dias depois, a coisa começa a se esclarecer quando uma senhora entra e pergunta:

- Eu quero saber por que é que não recebi meu BOLSA ESTIAGEM, pois eu também fiz o meu cadastro no Sindicato e...

- BOLSA ESTIAGEM? – Pergunta Zégua, admirado – que bolsa é essa?

- E o senhor não tá sabendo não? Num dia desses a gente fez um cadastro no Sindicato [dos Trabalhadores Rurais] pra receber o Bolsa Estiagem, um valor de 80 reais, durante 6 meses.

Então nosso herói faz uma pequena investigação e descobre mais detalhes dessa tal Bolsa Estiagem cujo nome oficial é PROGRAMA AUXILIAR EMERGENCIAL FINANCEIRO.

Mas a “molecagem” é que, pessoas que não recebem mais o Bolsa Família há muitos anos (o cartão foi cancelado por motivos legais, tais como aposentadoria, etc.) estão procurando o nosso herói, por que disseram pra elas que o Bolsa Estiagem vem é por meio do cartão do Bolsa Família.

E agora querem que Zégua descancelem cartões que “morreram” há dez anos.


Pois é. 2014 promete!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

AS PRESEPADAS DO “BRASIL CARINHOSO”

Dona Dulce e Dona Zita têm três filhos, cada uma. Todos são menores de idade. Portanto, todos têm direito ao Bolsa Escola. Cada criança “vale” 32 reais. Logicamente, Dona Dulce e Dona Zita recebem 96 reais (3 x 32). Além disso, existe ainda o Bolsa Família (70 reais). Total geral: Cada uma das distintas senhoras recebe (todos os meses) 166 reais.

Mas o governo federal criou um novo programa para erradicação da extrema pobreza, popularmente conhecido como “Brasil Carinhoso”. Diferentemente dos outros, os valores desse novo programa variam de família para família. Alguém pode receber 300 reais, enquanto outro pode receber 2 (Isso mesmo! Dois reais!). Isso depende da estrutura financeira de cada família. Aí o programa faz uns cálculos complicados e decide quanto cada família deve receber (mais detalhes, veja no site oficial do governo: http://www.mds.gov.br/).

É claro que essa “matemática carinhosa” tem gerado estressantes situações para os usuários do Bolsa Família, e, principalmente, para cima da cabeça dos nossos heróis “zéguas”. Veja a seguir alguns casos (Acredite! São inspirados em situações reais).




CLIQUE SOBRE AS IMAGENS PARA AMPLIÁ-LAS.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

ELEIÇÕES 2014 - OS CAÇAS-VOTOS ESTÃO DE VOLTA... E NOSSO AMIGO ZEGUINHA TAMBÉM PARA DETONAR ESSES INFELIZES!



Clique sobre as imagens para ampliá-las.

AH, O AMOR (ao Bolsa Família) É LINDO!

Clique sobre a imagem para ampliá-la.
O quadrinho acima foi inspirado numa história real, resumida abaixo:

AH, O AMOR (ao Bolsa Família) É LINDO.

Recentemente, nosso herói Zégua teve a seguinte conversa com uma senhora preocupada:

- Quero que tire o nome do meu marido do meu cadastro!
- Não posso, senhora. Quem mora com você tem que estar no cadastro, mesmo que não seja parente.
- Mas ele tem carteira assinada, e eu tenho medo de perder o Bolsa Família.
- Bem, uma hora dessas seu benefício será bloqueado. Mas, até lá, durma tranqüila e aproveite a vida. Esqueça essa história de tirar o nome do seu marido do seu cadastro.
- Tudo bem. Mas fique sabendo de uma coisa: se o meu beneficio tiver qualquer problema, EU ME SEPARO DO MEU MARIDO.

O amor (ao Bolsa Família) não é lindo?

*******
MAIS PÉROLAS DO BOLSA FAMÍLIA 2013 ...

VAI TER AZAR ASSIM NA...

- Bom dia. Eu quero saber por que não tirei meu dinheiro este mês!
- Vou dar uma olhada aqui, senhora. Ah, é porque seu cadastro tá desatualizado. Pronto! Tá tudo atualizado. Vamos aguardar o próximo mês.

No mês seguinte.
- Ei, o meu dinheiro não saiu não.
- Deixe eu dar uma olhada. Ah, é que o NIS foi trocado por outro. Agora seu NIS é este aqui. Pode ir na Casa lotérica tirar seu dinheiro.

No outro dia.
- Ainda não consegui tirar meu dinheiro. Já tô ficando cansada de ser enrolada.
- Calma, deixe eu ver aqui. “VIA DO CARTÃO NÃO CONFERE”. Ah, é que deve ter chegado outro cartão pra senhora. Vá até a agência dos Correios.

Meia hora depois.
- Você tá zombando da minha cara? O rapaz do Correio disse que não me entrega o cartão porque meu nome tá errado. Tá como solteira e eu já casei faz tempo. Por que vocês não fazem o serviço direito?

No caso, o sistema não atribuiu um NIS novo, mas restaurou o antigo, anulando o recente.

Nosso herói acessa o sistema e quase desmaia diante da ingrata surpresa: TODAS AS PESSOAS DO CADASTRO DA SENHORA FORAM EXCLUÍDOS!

Ou seja, ela não estava mais cadastrada. E agora? Como dizer para ela que teríamos que começar do zero? Que ela iria ficar muito tempo sem retirar o seu beneficio?

*******
UM BRASIL CARINHOSO... CARO E MUITO MANHOSO!

Duas senhoras vão juntas – à Casa Lotérica - receber o beneficio do Bolsa Família.

Duas surpresas.

- Oba! O meu dinheiro aumentou! O meu dinheiro aumentou! Vou receber cem reais a mais!

Alguns minutos depois, a outra senhora exclama:

- Que *&%$#¨& é essa?!!! Por que meu dinheiro diminuiu? E esses fi de uma égua diminuíram cem reais do meu dinheiro!!!

Esse é um clássico exemplo do ditado: CAVAR UM BURACO A FIM DE TAPAR OUTRO.


E, adivinhem quem é que ela acha que são esses “fi de uma égua”? Ela acabou de entrar na sala do Departamento do Bolsa Família. Parece possessa, está respirando com dificuldades. Olha para o nosso herói, morde os “beiços” e se prepara para descarregar a raiva. Zégua não pode correr. Sua sala só tem uma porta e a janela está bloqueada.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

FICA RICO... FICA POBRE... E A AGONIA CONTINUA


CLIQUE SOBRE AS IMAGENS PARA AMPLIÁ-LAS.
Após a grande confusão gerada pelo falso boato sobre o fim do Bolsa Família (em meados de Maio de 2013), a Caixa pisou na bola novamente no final de maio. Os fatos, fartamente apresentados na imprensa, demonstraram que erros no sistema do Bolsa Família (administrados pela Caixa) geraram o falso boato que quase provocou o Armagedom no Brasil.

No final de maio, precisamente no dia 27, a Caixa concedeu o benefício de milhares de famílias que aguardavam há um bom tempo. Foi uma boa surpresa quando os digitadores/entrevistadores e técnicos que trabalham com o Bolsa Família nos municípios, descobriram, pelo sistema, que muitos benefícios foram concedidos.

Mas estava bom demais para ser verdade. No dia 07 de junho de 2013, a ingrata surpresa: Todos os novos benefícios concedidos foram cancelados. A justificativa da Caixa (registrada no SIBEC, o tal sistema responsável pelos benefícios) se resumiu em duas palavras: GERAÇÃO INDEVIDA.

Aí todo mundo ficou sem entender nada. Então chegou a folha de pagamento de julho. Nova surpresa: parte do pessoal cancelado no dia 07 de junho foi novamente LIBERADA. Seria verdade ou um novo erro? Com o passar do tempo a noticia foi se espalhando. Muitas pessoas procuraram os departamentos nas prefeituras para saber se seu beneficio havia chegado.

E chegaram. Mas não todos. Agora estamos em meados de julho, aguardando, em suspense, as surpresas da próxima folha de pagamento (normalmente disponível entre os dias 5 e 10 de cada mês). Será que os outros concedidos-cancelados serão concedidos novamente?

O que responder para a senhora que fez o cadastro no mesmo dia que a amiga, há dois anos, e agora o da amiga veio e o dela não?

Ah, outra surpresa: normalmente a folha de pagamento de cada mês é disponibilizada entre os dias 05 e 10 de cada mês. Às vezes até depois do dia 10. Mas no dia 1.º de julho de 2013, a folha de julho já estava disponível. Uma coisa rara, não digo inédita (até onde sei).


Bem, e quanto à situação dos benefícios CONCEDIDOS-CANCELADOS-E-NÃO-CONCEDIDOS-NOVAMENTE, as situações expressas nos dois quadrinhos acima devem estar se repetindo em várias partes deste Brasilzão.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

AS DUAS CARAS DO BOLSA FAMÍLIA – Verdades e mentiras sobre esse polêmico programa social

No inicio deste ano (2013) participei de uma reunião com os Agentes Comunitários de Saúde do meu município. Há algum tempo que eu desejava que essa reunião acontecesse. E por quê? Porque a falta de informação sobre o programa Bolsa Família é péssima também entre esses profissionais. Como eles também possuem uma conexão com o Bolsa Família, pois são responsáveis pelas condicionalidades de saúde dos usuários do PBF, precisam conhecer bem os dois lados deste polêmico programa social.
Desde algum tempo eu havia percebido que, entre o pessoal que malhava o nosso herói Zégua, encontravam-se também muitos Agentes de Saúde. Alguns ainda tinham a dignidade de procurar o nosso herói para se informar melhor sobre o programa. Mas a maioria tinha a mesma mentalidade de Dona Prissiga e suas dignas irmãs: ACHAVAM QUE TODOS OS PROBLEMAS DO BOLSA FAMÍLIA ERA CULPA EXCLUSIVA DO INCOMPETENTE DO ZÉGUA.
Pedi para a Secretaria de Assistência Social organizar a reunião, convidar os Agentes e deixar o resto por minha conta. Preparei um documento (em slides Power-point) intitulado “AS DUAS CARAS DO BOLSA FAMÍLIA” e entrei na cova dos leões.
Antes de começar a reunião, muitos estavam um pouco exaltados e querendo saber por que certas pessoas tinham direito e outras não; por que alguns recebiam mais do que os outros; por que eu estava bloqueando os cartões de gente que não tinha nem onde cair morto; por que o Bolsa Família tinha tanto problemas, etc. O tom acusatório era claro: O vilão da história era eu.
Calmamente, pedi para que eles aguardassem a palestra primeiro e depois poderiam perguntar ou dizer o que quisessem. Então mostrei os bastidores do PBF. Expliquei que a coisa não era tão bonitinha como se via na televisão. Pouco a pouco as expressões dos participantes foram mudando. Do estado inicial de revolta, indignação e tom acusatório, os semblantes foram adquirindo as cores da surpresa, espanto e incredulidade (no sentido de: “não acredito no que estou ouvindo e vendo”).
Expliquei, esclareci, respondi algumas perguntas e choquei a platéia ao mostrar alguns quadrinhos de humor e crítica, com os tradicionais personagens que fazem parte do drama do Bolsa Família: Nosso herói Zégua, as irmãs Dona Prissiga, Dona Strupícia e Dona Infernilda, Zeguinha e suas críticas ácidas ao PBF, o vereador Toim Sakana, símbolo de alguns políticos (especialmente municipais) que tentam se aproveitar e usam o PBF com propósitos eleitoreiros, etc.
Alguém ficou ofendido pelos nomes dados às irmãs que simbolizam os usuários que não tem direito ao PBF, mas perseguem e caluniam o nosso herói todos os dias. Expliquei que o BLOG DO ZÉGUA (onde conto minhas aventuras ou desventuras com o PBF) existe como uma espécie de terapia, pois eu não agüentava mais ser xingado e acusado de coisas das quais não tinha nada a ver. Eu disse que perdi a conta das acusações que já recebi por causa do PBF. Então, como um bom nordestino, resolvi rir das próprias desgraças.
Quando a palestra acabou, o clima era muito diferente do inicio. Por mais que eu insistisse, pouquíssimas pessoas queriam perguntar alguma coisa. Na verdade, as pessoas que, antes da palestra, pareciam querer me esfolar, com falas e olhar acusatórios, não abriram a boca para mais nada no final da palestra. O que foi mostrado era muito claro, até para aqueles que raciocinavam um pouco mais devagar.
Isso só confirmava o que declara um certo versículo bíblico, que eu citei bastante durante a palestra:
Por falta de conhecimento, o povo se destrói” (Oséias 4.6).
Por falta de conhecimento, o povo se lasca” (versão nordestina).
Bem, o documento mostrado na reunião é uma boa ferramenta para se apresentar o Bolsa Família para aqueles que pensam que sabem como esse programa funciona, mas desconhecem os seus problemas, e adoram acusar quem não tem nada a ver.
Como o documento foi apresentado no começo do ano e de lá pra cá surgiram novos problemas, atualizei os slides e postei na internet, a quem interessar possa.
Os dados da folha de pagamento contidos no documento referem-se aos beneficiários do PBF do Município de Igarapé Grande, Estado do Maranhão, terra do nosso herói. Caso alguém queira aproveitar o documento em alguma palestra ou reunião, pode substituir a parte dos dados da minha cidade pelos dados da sua. Mas os problemas eu tenho certeza que são os mesmos. Exatamente os mesmos.
O documentário encontra-se em dois formatos: power point (slides) e pdf. Para acessá-lo, clique no link abaixo:
Moacir R. S. Junior – morganne777@hotmail.com – www.agentezegua.blogspot.com

quarta-feira, 19 de junho de 2013

A ATRAENTE VOZ DO POLÍTICO CORRUPTO... E A ABORRECIDA VOZ DO CIDADÃO HONESTO

       Recentemente, uma senhora me revelou que eu sou a pessoa mais odiada no bairro dela. Muitas pessoas se intrigaram comigo depois que seu Bolsa Família foi cancelado. Hoje, uma senhora me disse que, quando estava me ouvindo falar numa rádio, uma outra senhora se aproximou e disse que não perdia o tempo dela ouvindo ladrão.
         
        Bem, alegria, alegria! Faça como eu: Sorria!

terça-feira, 4 de junho de 2013

IMPOSSÍVEL ARGUMENTAR COM UM POVO “TÃO INTELIGENTE” COMO ESTE

CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA
Sábado, 18 de maio de 2013 – Confusão em várias partes do Brasil. Boato sobre o fim do Bolsa Família provoca tumultos e até atos de vandalismos.
Domingo, 19 de maio de 2013 – Algo chama atenção: Muita gente, cujo beneficio só seria liberado no final do mês, conseguiu sacar tudo ainda no sábado. Como isso foi possível?
Segunda-feira, 20 de maio de 2013 – Caixa vem a público explicar que antecipou o pagamento para evitar mais tumultos e para preservar a integridade física dos beneficiários. Ou seja, só liberou os pagamentos antecipados DEPOIS da confusão.
Sábado, 25 de maio de 2013 – Reportagem do jornal “Folha de São Paulo” descobre que Caixa antecipou pagamento ANTES dos boatos.
Sábado, 25 de maio de 2013 – Com a repercussão da reportagem do jornal “Folha de São Paulo”, a Caixa vem a publico admitir que realmente liberou o pagamento ANTES dos boatos.
Esses são os fatos. Mas para o povão, que geralmente só assiste televisão na hora da novela, os fatos são outros:
- Meu filho, fui sacar meu dinheirinho e o rapaz disse que meu beneficio tá cancelado por falta de atualização. Mas eu já vim aqui no mês passado e...
- Senhora, já tentei atualizar seu cadastro mais de cinco vezes...
- Meu filho, vocês é que não estão trabalhando direito. O pessoal da Caixa me disse que lá não tem nada errado. O problema é aqui na prefeitura.
- A senhora tá sabendo da confusão em que a Caixa se meteu na semana passada?
- Meu filho, tudo que eu sei é que algum criminoso e desumano andou espalhando por aí que o Bolsa Família ia acabar. Mas, graças a Deus, a presidenta disse que é tudo mentira.
- Mas a senhora não sabe que a Caixa antecipou o ...
- Meu filho, o povo inventa muitas mentiras. Gente que tem raiva da presidenta inventa essas mentiras e depois querem botar a culpa na Caixa...
- Mas a senhora não assistiu o jornal nestes dois dias?
- Meu filho, lá só tem mentiras e violência. Prefiro minhas novelas...

BOM DIA, MADAME! BOM DIA O QUÊ, CABRA SAFADO? POR QUE É QUE VOCÊS NUNCA TRABALHAM DIREITO?

CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA
Igarapé Grande, 28 de maio de 2013, um pouco antes das 8:00 horas.
Alguém bate na porta de Zégua.
- Bom dia, o que a senhora deseja tão cedo por aqui? – Diz Zégua, sorrindo.
- Veja isso aqui! – Disse a mulher, mostrando um pequeno papel para o nosso herói. Ela nem disse “bom dia”, e isso era um indício de fortes tempestades pela frente.
- Como é que eu já fui na prefeitura, me disseram que meu cadastro estava atualizado e aqui neste papelzinho está dizendo que não? – Disse ela, naquele tom acusador, que geralmente termina com “VOCÊS NÃO ESTÃO FAZENDO O SERVIÇO DIREITO!”
- Bem, a senhora assistiu algum jornal neste final de semana?
- Não.
- Não sabe da confusão que aconteceu envolvendo o Bolsa Família e a Caixa?
- Ah, a Dilma disse que é tudo mentira.
“Ai, ai, ai!”
- Quer dizer que você acredita sem pestanejar no que a presidente diz, mas me chama de mentiroso?
E o nosso herói tentou explicar para a “dita cuja” o que estava acontecendo no sistema nos últimos meses. Mas, é claro, tentar explicar certas coisas para alguém que duvida de você o tempo todo é pior do que tentar enxugar gelo.
Quando o nosso herói chegou ao trabalho, eis a multidão com os cartões cancelados, e quase todo mundo com a mesma acusação: “LIGUEI PARA O 0800 E ELES DISSERAM QUE O PROBLEMA COMEÇOU AQUI NA PREFEITURA”.
Sorte do nosso herói que a imprensa desmascarou a lorota da Caixa antes que ela lançasse a culpa da confusão do dia 18 de maio último na conta dos milhares de Zéguas, espalhados nos 5 mil e pouco municípios do Brasil.
Em tempo: perdi a conta de pessoas que chegaram hoje, dizendo que ligaram para o 0800 e os gênios de lá dissera que (Oh, novidade!) o problema era nas prefeituras. Também perdi a conta de pessoas que chegaram com a velha chantagem emocional: “Meu filho, se este cartão não for desbloqueado, não sei o que vai ser de minha vida” ou: “Oh, meu filho, faça alguma coisa. Eu tomo remédio controlado. E preciso deste cartão pra comprar meus remedinhos, senão vou morrer.”

O TAL DO AUMENTO - A ILUSÃO QUE SEMPRE LASCA A VIDA DO NOSSO HERÓI